Edit Content

grupo de artes

Investigador Responsável: Francisco Paiva

grupo de comunicação e media

Investigadora Responsável: Gisela Gonçalves

Siga-nos:

NEWSLETTER

AKADEMIA – Tecnologia da informação e novas formas de jornalismo on-line

SITE DO PROJETO

https://www.labcom.ubi.pt/akademia/akademia.html

ORÇAMENTO

Financiado por FCT (Início: 06/ 09/ 2000; Términus: 31/05/2004)

NÚMERO DO PROJETO

-

CÓDIGO DA OPERAÇÃO

-

PARECER DA ENTIDADE AVALIADORA

-

DOMÍNIO CIENTÍFICO PRINCIPAL

-

Área Científica Principal

-

Sub-área da Área Científica Principal

-

Área Científica Secundária

-

Sub-área da Área Científica Secundária

-

Investigador Responsável (IR) do projeto

António Fidalgo

Co-Investigador Responsável (co-IR) do projeto

-

Equipa de Investigação

Jorge Bacelar, João Canavilhas, João Carlos Correia, Anabela Gradim, Frederico Lopes, José Geraldes, Frederico Lopes, Manuela Penafria, José Manuel Santos, Joaquim Paulo Serra, Catarina Moura, Marco Oliveira

Breve descrição do projeto

O projeto Akademia foi o projeto inicial da génese do LabCom, em 2000. O seu principal objetivo consistia em explorar novos tipos de jornalismo baseados nas novas tecnologias da informação, nomeadamente em dois campos: 1) convergência de texto, som e imagens em movimento (vídeo); 2) Simbioses entre o jornalismo e sistemas de informação (bases de dados). Este foi um projeto interdisciplinar no campo da comunicação (jornalismo e audiovisuais), computação (redes, bases de dados, transmissão) e gestão de informação.

Sumário

O Projecto Akademia visa explorar novas formas do jornalismo on-line com base nas novas tecnologias da informação, nomeadamente em dois pontos: 1) Convergência de texto, som e imagem em movimento (vídeo); 2) Simbiose entre jornalismo e sistemas de informação (bases de dados). Trata-se de um projecto interdisciplinar nos campos da comunicação (jornalismo e audiovisual), informática (redes, bases de dados, streaming) e gestão da informação. É um projecto inovador pela metodologia e objectivos que se procuram atingir. É previsível que a introdução do vídeo nos jornais on-line modifique radicalmente a forma da escrita e a apresentação das notícias. A evolução das capacidades de armazenamento dos servidores e de largura de banda permite antever que haverá a colocação de vídeo-clips onde hoje se encontram fotografias. Desde logo o jornalismo on-line obriga a um novo tipo de escrita, na medida em que tem de corresponder necessariamente à lógica do hipertexto e respectiva interactividade. Há que ter em conta as diferentes possibilidades de layout que uma página impressa do jornal permite (colunas, caixas, tipos de letra, inserção de fotografias, etc.) e que permite o layout on-line (tabelas, frames, animação de texto, etc.) Por outro lado, a inserção de vídeo num jornal on-line, e consequente acompanhamento de som, não levanta questões apenas ao nível de texto, mas também ao nível da produção e da edição do vídeo. Introduzindo som e imagem em movimento (vídeo) no jornalismo, levanta-se a pergunta sobre analogias, diferenças e convergência com a informação televisiva on-line (interactiva). Investigar-se-á também a ligação entre a informação jornalística e a informação assente em base de dados. A primeira caracterizada enquanto uma informação de acontecimentos extraordinários surpreendentes, mas também muito particularizada, de fenómenos isolados, e lacunar. A segunda enquanto informação sistemática, abrangente, tão completa quanto possível em que o que interessa não é a novidade, mas sim o número, a quantidade, a homogeneidade, a média estatística. O hipertexto e as bases de dados on-line, interactivas, estabelecem contactos entre jornais e sistemas de informação. Daqui surge a ideia de integrar todas as notícias numa base de dados, organizada por múltiplas entradas, datas, secções do jornal, lugares, intervenientes, tipos de factos noticiados, etc. O arquivo de um jornal não seria mais um todo informe, sucessivo, mas um conjunto organizado, que possibilitaria a simbiose da notícia de hoje com os dados do passado. Dadas as possibilidades informáticas das universidades e as suas necessidades em termos de informação, a metodologia do projecto passa por criar um jornal universitário, o Akademia, que, utilizando a largura de banda disponível no campus universitário, constitua o novo meio de comunicação, em termos de meios, conteúdos e formatos. A informação que existe hoje nas universidades é uma informação dispersa, descoordenada; facto revelador de que não há ainda uma verdadeira filosofia de informação, profissional, no mundo académico português. Contudo, é importante que também as universidades saibam aproveitar a rede como uma forma privilegiada de veicular informação a todos os que nela trabalham, ensinam e estudam. Conjugar a informação jornalística com a informação institucional, juntá-la num mesmo órgão, é a melhor forma de combinar nos destinatários o interesse e a curiosidade às exigências profissionais de estar informado. Por outro lado, esse órgão constituirá um fórum de opinião e de debate na própria academia.

Objetivos

Objetivos Imediatos: O projeto contempla 4 objetivos imediatos: 1- Estudar a convergência de texto e vídeo na informação transmitida através da internet. A largura de banda na universidade representa um laboratório onde é possível investigar novos formatos comunicativos para o futuro. 2- Conectar a informação jornalística com a informação sistemática (base de dados). Determinar de que modo as notícias podem e devem ser fornecidas na estrutura de um sistema preciso de informação. 3- Organizar a informação e disponibilizá-la na internet. O objetivo é organizar e processar toda esta informação, de modo a conceder-lhe uma marca jornalística e torná-la disponível on-line, onde poderá ser acedida confortavelmente. 4- Criar um organismo universitário de informação on-line. Apesar das universidades disporem das melhores estruturas de rede, ainda se servem de formas tradicionais, nomeadamente os boletins, desinteressantes e usualmente desatualizados. Ainda não uma filosofia de informação real e profissional, na esfera académica portuguesa. Assim sendo, é necessário que as universidades possam também ganhar partido das rede como um modo privilegiado de transmitir informação para todos os que trabalham, ensinam e estudam nelas. Objetivo a médio prazo: Criar um Centro de Excelência na Universidade da Beira Interior, no campo das Ciências da Comunicação em ligação com as tecnologias de informação e multimédia.

Resultados

http://www.labcom.ubi.pt/files/akademia/akademia_diariodebordo.html
PT