Edit Content

grupo de artes

Investigador Responsável: Francisco Paiva

grupo de comunicação e media

Investigadora Responsável: Gisela Gonçalves

Siga-nos:

NEWSLETTER

Publicação de Comunicação

A TELE-REALIDADE – O PRINCÍPIO DE PUBLICIDADE MEDIATIZADO

Não existem muitos livros, dentro do espaço lusófono, em torno do tema da televisão de realidade. E mesmo aqueles que se ocupam do Reality-Show fazem-no de acordo com propósitos específicos centrados na análise da programação televisiva. Além disso, a própria televisão de realidade (Reality-Television) é, habitualmente, sobretudo no contexto anglo-saxão, associada ao Reality-Show, como se entre os conteúdos televisivos e a utilização social do medium televisão não existisse qualquer diferença. Isto configura um entendimento onde o género televisivo é assimilado à função televisiva que esse género preenche.

A obra que agora se dá à estampa pretende, não apenas colmatar a ausência de análises em torno deste tema, como também ousa esboçar linhas de orientação que permitam distinguir o género televisivo da função social da televisão. Intenta, assim, contemplar a relação entre televisão e sociedade. O seu objecto central de análise é a configuração contemporânea da televisão de realidade.

Porém, o seu ponto de partida não é o programa televisivo de realidade mas o estudo da televisão de realidade a partir de uma perspectiva comunicacional. Tendo por orientação metodológica as Ciências da Comunicação, o livro investiga a televisão de realidade a partir da sua dimensão pública. Por esse motivo, e dado o objectivo particular da reflexão, preferimos falar em “tele-realidade”.

Por tele-realidade entendemos a função publicitária que a televisão desempenha através da construção televisiva, semiótica e narrativa da sua grelha programática. Ela baseia-se numa função social fática operada pela reprodução simbólica da sociabilidade. O que está em causa, no fundo, é a mediatização televisiva da publicidade (entendida como qualidade pública) e o modo como a televisão contribui  para dinamizar os processos simbólicos que perpassam nas nossas sociedades.

AUTORES / EDITORES

Samuel Mateus

COLEÇÃO

Livros LabCom

ANO DA EDIÇÃO

2013

ISBN

978-989-654-112-5

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Índice

Prefácio  1

Capítulo 1 - Programa televisivo de realidade e Tele-realidade : dois termos para o mesmo objecto? 15

1. Percursores dos Programas Televisivos de Realidade  19

2. Influências na Constituição dos Programas Televisivos de Realidade  20

Capítulo 2 - Entre Procedimentos Ficcionais e Realidade  27

1. A Pretensão de Realidade e a Autenticidade  29

2. Dois Tipos de Pretensão de Realidade  32

3. A Tele-Realidade não é Ficção  33

4. A Ambivalência do Discurso da Tele-Realidade  37

Capítulo 3 - Uma Nova Afinidade entre Privacidade e Publicidade  45

1. Um Novo Regime de Verdade – a subjectividade  48

2. A Televisão Íntima  50

Capítulo 4 - A Proto-Política  53

1. A Micro-Política do Quotidiano  55

2. Tele-Realidade e Cidadania  57

3. A Adesão Emocional da Mostração  60

4. Políticas do Quotidiano e Modalidades de Composição dos Públicos  63

Capítulo 5 - A Integração Social na Tele-Realidade  67

1. Indivíduo e Sociedade  69

2. Religião e Tele-Realidade  76

3. A Televisão Relacional  81

4. A Ideia de Comunidade   89

Capítulo 6 - A Conversação e o Debate   95

1. A Explanação Televisiva  97

2. A Recepção Crítica dos Debates  104

Capítulo 7 - Visibilidade e Sinopticismo  107

1. O Carácter Testemunhal   108

2. A Relação Sensível Introduzida pela Visibilidade  110

3. Escopofilia  112

Capítulo 8 - Individualizações  115

1. A Psicologização do Participante (e do Espectador)  117

2. A Televisão Confessional   118

3. A Televisão Traumática  120

4. A Função Terapêutica  123

5. A Extimidade como Traço Fundador   127

6. A Inflexão Ética  130

Conclusão - O Prazer das Imagens e a “Aldeia Global”   135

Bibliografia  141
PT